COLUNA JANUÁRIO BASÍLIO: SAUDADES DOS VELHOS CARNAVAIS DA CIDADE

Remexendo em meus arquivos fotográfico  sobre a cidade de Barbacena, me pego a olhar algumas fotografias dos carnavais tempos anteriores em que várias agremiações desciam pela rua XV animando e arrastando foliões de várias idades ladeira abaixo.

O “espírito carnavalesco” tomava conta da folia naquela época, onde os blocos caricatos faziam a alegria das criançadas. As escolas de samba naquele período, caprichavam pra entrar na ‘passarela do samba”. Havia até uma certa rivalidade entre os foliões que desfilavam entre elas. A vontade de desfilar nas agremiações eram tão grande, que ja teve escolas com mais de 1000 participantes desfilando na avenida, sem falar na decoração e nos tamanhos dos carros alegóricos que surpreendiam o grande público presente que aguardavam ansiosamente para ver a sua escola preferida passar. Os enredos das agremiações eram cantados com entusiasmo pelos foliões, tamanhã a paixão pela escola preferida.

Há! Que tempo bom! Tempo em que o carnaval de Barbacena atraía uma grande quantidade de turistas que vinha pra cá, passar o carnaval na cidade das rosas. A rede hoteleira lucravam com o período carnavalesco, a sacada do prédio do Hotel Pálace ficava lotada, todos querendo apreciar o bom carnaval da cidade. E quem ai, que tem um pouco mais idade como eu, não se lembra do irreverente bloco do pijama? Das tardes animadas nos clubes Barbacenense e Olympic Club com as matinês para as crianças, sempre lotadas.

Eu me lembro,  que no ano de 1988 (acho que foi neste ano mesmo ou 1989), quando uma das escola de samba (não me lembro bem qual delas) fez uma homenagem ao radialista Barbosa Silva, era de se arrepiar ver todo aquele povo que estavam nas arquibancadas montadas ao longo da rua XV , cantando e se emocionando com a linda homenagem feita há um dos grandes comunicadores do rádio das Minas Gerais, o saudoso Barbosa Silva. Teve uma outra escola neste mesmo ano que fez uma homenagem ao futebol brasileiro, com os figurantes de uma ala, todos com a camisa do Brasil fazendo embaixadinhas com a bola naquele que era o mais importante corredor da expressão cultural de Barbacena, afinal de contas, tudo naquela época, era realizado na rua XV, em anos um pouco mais distante destes, ate a mais importante festa da cidade, a das Rosas e Flores, já teve seu glamour no centro . Após o ano de 1989, ou no ano seguinte, o carnaval de Barbacena começava a ruir, se dilacerando com o passar dos anos, até que…. anos depois, já não mais existiam os desfiles de blocos e nem de escolas de sambas, e quando algum ou outro se arriscavam a desfilar, já não tinha mais o brilho e alegria de tempos passados.

Já em meados da década de 90, as agremiações já não participavam mais ativamente do carnaval de Barbacena, quando uma ou outra desfilavam eram com umas mínguas de participantes, e já não atraia mais os olhos dos turistas que neste período, já não prestigiavam mais o carnaval da cidade. Foi nesta época que o carnaval começou a se estagnar de verdade, deixando de ter a praça e a principal via da cidade como palco para os foliões e famílias inteiras que subiam e desciam a Quinze de Novembro, brincar com os seus filhos.

Atualmente, podemos dizer que de todos os blocos que a cidade já teve, o único que ainda consegue arrastar multidões pelas ruas  é o Recordar é Viver. E tomara que ele não desapareça como os demais, a cidade carece muito de alternativas para o povo se divertir nos dias  daquela que ainda é considerada a maior festa popular do Brasil.

Vamos torcer para que dias melhores possam vir. Apesar de não mais acreditar que teremos carnavais tão grandiosos como os de antigamente, mas  isso não descarta a possibilidade dele se reinventar nos próximos anos. Vamos torcer para que a folia seja mesmo um grande motivo das pessoas visitar a nossa cidade neste período carnavalesco.

Foto: Bloco Recordar é Viver em 2016(Fotografia: Januário Basílio)